Ubajara Notícias

Plano de Retomada da economia no Ceará

O governador do Ceará, Camilo Santana, divulgou nesta quinta-feira (28) os detalhes do plano de retomada das atividades econômicas do estado em recuperação aos efeitos da epidemia do novo conoravírus (SARS-CoV-2). A partir do dia 1º de junho até o dia 7, haverá uma fase de transição, seguida por outras quatro, cada uma com 14 dias, com a divisão das atividades liberadas para retomarem por grupos. Já na primeira fase, setores do comércio já poderão funcionar. Escolas estão na última fase.

Etapa por etapa:

Retomada gradual das atividades irá iniciar nesta segunda-feira (01).

O plano de retomada das atividades econômicas no Ceará terá mais de uma fase de transição. Conforme documento da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), a proposta apresentada pelo Governo do Estado ao setor produtivo nesta quarta-feira (27) prevê a operação parcial de grupos de setores em cada etapa.

A ser iniciada nesta segunda-feira (01), a primeira fase permitirá o retorno parcial da indústria, construção civil e comércio, como a indústria química, artigos de couro e calçados, cadeia metalmecânica, cadeia de energia elétrica, cadeia têxtil e de roupas, logística e transporte, além de esporte, cultura e lazer.

No dia 8 de junho, os setores liberados no primeiro momento teriam percentual a mais de operação autorizados, além de juntar-se a eles o comércio e serviços de higiene e limpeza.

Em 22 de junho, as cadeias de menor risco começam a retornar, incluindo indústrias e serviços de apoio, tecnologia da informação, assistência social, comércio de produtos não essenciais, alimentação fora do lar, entre outros.

Ainda segundo documento disponibilizado pela Abrasel, no dia 6 de julho as cadeias já liberadas poderiam operar com 100% de sua capacidade e passariam a poder funcionar restaurantes em horário noturno e barracas de praia, além de outras 12 cadeias não especificadas.

Por fim, mais dez atividades seriam liberadas a retornar no dia 20 de julho e o segmento de alimentação fora de casa estaria autorizado a funcionar com 100%.

Confira mais detalhes do planejamento:

01/06
FASE DE TRANSIÇÃO – INDÚSTRIA E CONSTRUÇÃO CIVIL
Indústria química e correlatos; artigos de couro e calçados, cadeia metalmecânica e afins, saneamento e reciclagem, cadeia energia elétrica, cadeia da construção civil, têxteis e roupas; Comunicação, Publicidade e Editoração; indústria e serviços de apoio; artigos do lar; cadeia agropecuária; cadeia moveleira; tecnologia da informação; logística da informação; logística e transporte; cadeia automotiva; cadeia da saúde; Esporte, Cultura e Lazer.

FASE 01 – INDÚSTRIA, SERVIÇOS E COMÉRCIO (setores liberados para operar parcialmente)
Mesmos setores da fase de transição com mais liberações + Comércio de outros produtos; comércio e serviços de higiene e limpeza.

FASE 02 – 13 CADEIAS
CADEIAS DE MENOR RISCO, SEM LIMITAÇÕES. COMÉRCIO EM SHOPPINGS E SERVIÇOS.
Cadeias já liberadas nas fases anteriores, agora com funcionamento pleno. De forma parcial: Comunicação, Publicidade e Editoração; indústrias e
serviços de apoio; tecnologia da informação; assistência social; comércio de produtos não essenciais; alimentação fora do lar; atividades religiosas; Esporte, cultura e lazer.

FASE 03 – 12 CADEIAS
COMPLETA CADEIAS ANTERIORES DE ATIVIDADES SEM AGLOMERAÇÃO E DE ALTA VULNERABILIDADE
Na alimentação fora do lar, inclusão de restaurantes em horário noturno e barracas de praia

FASE 04 – 10 CADEIAS
Atividades de grande aglomeração + completa cadeias de atividades de baixa vulnerabilidade Completa a cadeia de alimentação fora do lar.