Ubajara Notícias

Garantia de um atendimento de qualidade sofre articulação contra. Hospital de Ubajara poderá receber gestão especializada

Entidades sem fins lucrativos poderão administrar o Hospital Francisca Belarmina, em Ubajara

Na data de ontem (19), vereadores de Ubajara se reuniram na câmara municipal as 17 horas, com cerca de 15 (quinze) servidores do município, lotados no Hospital Francisca Berlamina da Costa, na pauta estava a reivindicação dos servidores pela não terceirização dos serviços de gestão hospitalar.

Segundo informações obtidas por uma fonte anônima de dentro do sindicato, o posicionamento da entidade é no sentido de que os servidores não trabalharão mais em regime de plantão e serão disponibilizados para outros órgão do município de Ubajara, na área da saúde, trabalhando em horário comercial, por isso foi deliberado que se posicionaria a entidade sindical, contra a terceirização sendo essa a real motivação.

A gestão do município afirmou que, reconhece as dificuldades no gerenciamento do hospital, e que os reclames da sociedade por um serviço de qualidade já vem a algum tempo, de início foi buscado recursos para a reforma e ampliação do hospital municipal pois realmente a estrutura estava precária. Assim, o município locou outro hospital para dar um melhor atendimento a sociedade ubajarense enquanto termina a reforma e ampliação do outro, neste período fez vários estudo de como poderia, sem aumentar custos, prestar um melhor serviço hospitalar à população de Ubajara. Foi concluído esse estudo e detectado que a especificidade do serviço somado a busca da sua melhoria só poderá vim através de implementação de parcerias público-privado de gestão hospitalar com entidades sócias sem fins lucrativos, com experiências em gestão hospitalar. Tal ação visa principalmente a reabertura do novo hospital, não fazendo sentido inaugurar um dos maiores e melhores hospitais da Serra da Ibiapaba com um atendimento sem qualidade. Um exemplo desta ação é o que ocorreu em Tianguá com o hospital Madalena Nunes, onde quem assumiu foi a Sociedade Beneficente São Camilo, tornando o hospital o maior da serra da Ibiapaba. Quanto aos concursados, segundo o município, seus direitos serão garantidos uma vez que a vinculação trabalhista dos concursados permanece com o município e não com a entidade sem fins lucrativos que venha a gerenciar o hospital.

Para melhor análise do caso, o Ubajara Notícias faz uma retrospectiva da questão do hospital municipal de Ubajara.

No ano de 2015, a TV Verdes Mares fez uma matéria denunciando as condições estruturais do hospital municipal, assim essa é uma reivindicação antiga da população, na matéria o próprio vice-prefeito, quando era vereador, juntamente com outros vereadores, cobrou do ex-gestor a reforma do hospital. Na ocasião o ex-prefeito afirmou que o município não dispunha de verbas e por esse motivo não faria a reforma.

Nesse ano, a imprensa nacional veiculou vários problemas no hospital municipal por conta de maus tratos com usuários e negligencias hospitalares, o que aumentou mais ainda a reivindicação da população por melhorias na qualidade do atendimento e da gestão do hospital. Os próprios vereadores e até mesmo o presidente da câmara, cobraram providencias quanto ao hospital municipal afirmando em um áudio, em relação ao atendimento hospitalar que “(…) isso é um absurdo o que está acontecendo em nosso hospital, teve um amigo nosso que essa semana chegou lá com um problema de hipertensão  e vômito e outras coisas mais, o médico de plantão prescreveu benzetacil, uma coisa que não tem nada a ver com a outra. Fora os funcionários trabalhando de bermuda na recepção do hospital, banheiros infectados de vômitos e passa a noite toda o banheiro sujo e não tomam providência. Rapaz tá um basta, eu estou com vontade de convocar uma sessão extra ordinária só para discutir esses assuntos pois não tem mais como aguentar a população sofrendo com tanta negligencia nesse hospital na área da saúde.”, afirmou Grijalva.

O Vereador Marlito quando da reportagem sobre a negligencia no hospital municipal postou em seu facebook em agosto deste ano que “Realidade de hoje meu povo que a saúde de Ubajara cada dia que passa fica cada vez pior. Hoje você tem que pedir a Deus para não adoecer porque se depender daqui de Ubajara você morre.” A vereadora Robenilta replicou a reportagem de negligencia hospitalar em 10 de junho de 2019, cobrando soluções sobre o caso nas sessões seguintes.  Contudo os dois parlamentares postaram em suas redes sociais, ontem (20), que se depender deles a terceirização não passará.

https://ubajaranoticias.com.br/2019/06/10/bebe-nasce-no-chao-do-hospital-de-ubajara-mae-acusa-negligencia-de-enfermeiro/Percebam que em todas as denúncias, a questão gira em torno de atendimento e negligência hospitalar.

Ai vem a pergunta. Será que essa medida não beneficiará cerca de 34 mil habitantes residentes em Ubajara? Será que o hospital municipal de Ubajara, não será inserido em uma nova realidade da saúde nacional e regional? Qual a proposta do município?

Segundo foi apurado pelo site, a proposta da prefeitura é que os serviços sejam ampliados e melhorem a qualidade. Na proposta, deverá a entidade prestadora de serviços, no mínimo, manter no hospital o centro cirúrgico e centro obstétrico em pleno funcionamento e integrados; um centro de imagens com raio-x, ultrassonografia, endoscopia e outros exames; laboratório que entregará os exames em uma hora após a solicitação do exame e sua coleta; implantar médicos especialistas no hospital, e aumentar o número de leitos de menos de 30, hoje, para mais de 50, passando um hospital de pequeno porte a se transformar em um dos maiores hospitais da serra da Ibiapaba. Isso foi construído após visitas a outras hospitais e UPA’s administradas por diversas entidades sem fins lucrativos, as chamadas OS (Organizações Sociais).

Além de melhorias perceptíveis na prestação de serviços, segundo a prefeitura, um dos fatores primordiais da proposta é se ter uma gestão especializada permitindo que o hospital solucionar problemas recorrentes na administração, muitos deles com impacto direto na qualidade de vida dos pacientes atendidos, como o fechamento de leitos pela ausência de profissionais qualificados e a falta de materiais, medicamentos e equipamentos modernos para dar suporte ao tratamento. A gestão especializada se mostra cada vez mais benéfica tanto para gestores quanto para pacientes.

 

Será que esse é o caminho certo para salvar mais vidas em Ubajara? Senão for este, qual será?

Na contramão desse posicionamento, os que não aprovam a lei também não direcionaram nenhuma outra solução para a questão do hospital, que já vem se arrastando desde outras gestões.

O certo é que pela primeira vez, depois de muitos anos, se tem uma real perspectiva de melhoria no atendimento médico-hospitalar em Ubajara bem como na qualidade nos atendimentos prestados pelo hospital.