Ubajara Notícias

Rompimento de reservatório prejudica comércio da região

O trânsito de veículos pela CE-163 ficou interrompido: motoristas tiveram que buscar desvios alternativos para passar de um lado para outro ( Fotos: Kid Júnior )

Trairi. Um dos mais belos cartões-postais do Ceará amargou sério prejuízo neste feriadão. O rompimento de um reservatório particular abriu crateras e cortou ao meio dois trechos da rodovia CE-163, neste Município, no litoral Oeste e a 128 quilômetros de Fortaleza. O fato se deu em consequência das fortes chuvas caídas nos últimos dias na faixa litorânea.

As praias de Fleixeiras, Canaã e Mundaú ficaram esvaziadas, apesar das altas expectativas dos comerciantes locais com o feriado prolongado do Dia de Tiradentes. Pior do que isso, foi o estado de isolamento das comunidades de baixa renda, que não tinham como se deslocar até a sede. Além disso, o retorno dos motoristas passaram o feriadão no Litoral Oeste foi prejudicado.

O gerente de transportes da Prefeitura de Trairi, Tiago Praciano, estimou que, pelo menos, 25 mil pessoas ficaram prejudicadas com o estouro da barragem, o que corresponde a quase a metade da população de Trairi.

Serviços

Para atenuar os transtornos na mobilidade, a administração municipal espera concluir até amanhã (25) um desvio para o tráfego de veículos próximo à zona urbana. Em outro trecho, também atingido pela força das águas, em Fleixeiras, outra área bastante atingida, os serviços de recuperação vêm sendo executados pelo Departamento Estadual de Rodovias (DER).

O rompimento aconteceu na sexta-feira passada na propriedade pertencente à empresa Unique, que detém cultivos de coqueiros. O supervisor Marciano Cruz, informou que a empresa está avaliando o acidente que também classificou como “uma tragédia”. Além de Flexeiras outra praia bastante prejudicada foi Guajiru. O comerciante Marcos Prado disse que os prejuízos foram causados em quase toda orla. Em Mundaú, conforme salientou, houve uma preparação de todo o trade, hotéis e restaurantes, para receber os visitantes, o que acabou não acontecendo. “Muitas pessoas não conhecem esse desvio pela estrada que vai até Itapipoca. Outros acham que fica muito distante”, explicou Marcos.

O comerciante informou que o acidente ocorreu num período em que os moradores da zona rural se deslocam para os maiores centros urbanos para compra de alimentos. “Esse foi mais um transtornos que nos aconteceu”, asseverou. Essas localidades só têm acesso possível pela faixa de praia quando a maré está baixa. Já para Mundaú e Canaã é preciso fazer um desvio de 80 quilômetros na CE-085, no trecho Fortaleza/Itapipoca.

Desapontamento

Já no último dia do feriadão não foram poucos os que não puderam ter acesso à praia de Fleixeiras. Quando a maré estava alta, o acesso somente foi possível com os banhistas fazendo caminhadas a pé. Equipes do Departamento Estadual de Rodovias ( DER) estão no município de Trairi, no litoral oeste, para tomar as devidas providências acerca da interrupção da CE-163, estrada que dá acesso à praia de Flexeiras e à comunidade de Canaã.

A parte mais danificada é que liga a sede do Trairi até Flexeiras. No local, a estrada foi partida ao meio. Os danos chegaram a chamar a atenção de populares. Apesar dos transtornos, caminhões, tratores e retroescavadeiras foram mobilizadas durante os últimos três dias para que o fluxo de veículos tivesse retomada a normalidade.

Dificuldades

A rodovia foi danificada em dois pontos, por conta do rompimento de um açude particular. Os trabalhos, de início, estão concentrados na viabilização de um desvio e construção de um bueiro provisório, no acesso a Flexeiras, para que o trecho seja restabelecido, o que deve acontecer até amanhã.

Neste momento o acesso para Canaã é feito pelas localidades de Emboaca e Mundaú. O acesso a Flexeiras está sendo feito através da faixa de areia da praia, quando a maré está baixa.

Apesar das medidas tomadas pelo poder público, houve também muita indignação manifestada por empreendedores particulares instalados no município. Eles pedem uma posição do Ministério Público, no sentido de que os prejuízos sejam ressarcidos aos prejudicados.

Em muitas propriedades as perdas foram de grande monta, em vista de que a força das águas arrastou tanto a vegetação, quanto motores e objetos de valor em sítios e fazendas. Hoje, a administração fará uma nova avaliação dos danos para estabelecer um calendário de conclusão dos serviços.

Enquete

Como vê os prejuízos na orla

“Foi algo trágico que nos aconteceu neste fim de semana. Não apenas para os moradores do Trairi, como também para muitos visitantes que deveriam vir para passar o feriadão. Os prejuízos são inumeráveis”

Pedro Gadelha

Comerciante

“Ficamos todos muito tristes não apenas pelo esvaziamento nas praias, como por todo o transtorno ocasionado às comunidades de baixa renda, que ficaram praticamente ilhadas desde a última sexta-feira

Laura Paiva

Autônoma

Diário do Nordeste