Ubajara Notícias

Coreanos vêm ao Ceará negociar usina de GNL

 

A alta cúpula da empresa multinacional coreana Kogas desembarcará em Fortaleza na noite de amanhã, terça-feira, 28, para retomar a negociação com o Governo do Ceará visando a implantação, na terra firme do Complexo Industrial do Pecém, de uma usina de regaseificação de Gás Natural Liquefeito (GNL).

A informação foi transmitida pelo secretário de Assuntos Internacionais, Antônio Balhmann. Hoje, essa mesma usina – da Petrobras – opera a bordo do navio Golar Spirit, alugado pelo valor de US$ 50 mil por dia.

Balhmann também anunciou que, quarta-feira, dia 29, terá uma nova teleconferência com diretores e técnicos da empresa chinesa Guandong Zenhrong Energy Co., com os quais vem tratando – sempre por essa via de comunicação – do projeto de instalação de uma refinaria de petróleo no Pecém.

De acordo com Antonio Balhmann, a comitiva coreana da Kogas é integrada pelo vice-presidente Su-Seog Ko; seu principal executivo, Sang Jeong Hum, e o diretor-geral, Kim Woo Taek. Na manhã de quarta-feira, de helicóptero, os asiáticos, acompanhados pelo secretário, sobrevoarão o Porto, o Complexo Industrial e a área destinada à construção da usina de regaseificação.

À tarde, na sede da Secretaria de Infraestrutura, os diretores da Kogas terão reunião com o secretário Lúcio Gomes e com os diretores da Companhia de Gás do Ceará (Cegás). Às 18 horas, os coreanos se deslocarão até o Palácio da Abolição, onde terão encontro com o governador Camilo Santana.

“Esses diretores, que chegarão amanhã a Fortaleza, são a nova cúpula dirigente da Kogas e a vinda deles aqui demonstra o alto interesse da empresa coreana no projeto da usina de regaseificação do Pecém”, explica Antônio Balhmann. A construção dessa unidade industrial em terra firme vai, como primeira e imediata consequência, liberar o píer número 2 do Porto do Pecém, onde está há vários anos ancorado o navio Golar Spirit, contratado pela Petrobras, a bordo do qual funciona a usina flutuante de regaseificação.

Venda de ativos

Quando esse navio deixar, definitivamente, o espaço que ocupa no porto, a Cearaportos terá mais dois berços de atracação para os navios transportadores de combustíveis, algo que será permanente a partir do momento em que se reinstalar no Pecém o parque de tancagem que opera, atualmente, no bairro do Mucuripe, em Fortaleza.

A usina de regaseificação – em terra firme – do Pecém está projetada para produzir 12 milhões de m³ – “seis milhões de metros cúbicos na primeira fase, seis milhões na segunda fase”, como adianta o secretário. “Temos chances agora de acelerar o projeto, pois o Tribunal de Contas da União(TCU) liberou a Petrobras para dar sequência ao seu programa de venda de ativos, e um dos ativos a ser vendido é a usina de regaseificação do Pecém. É exatamente por causa disso que os coreanos estão vindo a Fortaleza”, explicou.

Refirnaria

O secretário Antônio Balhmann revelou que, desde sua última viagem à China, tem mantido periodicamente reuniões – via teleconferência – com os diretores da Guandong Zenhrong Energy Co., tratando do projeto de implantação da refinaria de petróleo no Pecém. “Quarta-feira, 29, terei mais uma teleconferência com eles, desta vez para tratar do cronograma do projeto, que se estende até o início de sua construção”, disse.

Balhmann informou que, no próximo dia 6 de junho, começará a operar o Fundo Brasil-China, que financiará os projetos prioritários do acordo entre os dois países (celebrado durante o Governo Dilma Rousseff). Um desses projetos é o da refinaria do Pecém.

Os contatos do secretário Balhmann também têm sido com as autoridades do NDRC – sigla em inglês do organismo do Ministério do Comércio chinês responsável pela negociação e pela aprovação de todos os projetos dos acordos que a China tem com diferentes países parceiros.

“Até dezembro deste ano, o projeto da refinaria do Pecém estará pronto e será entregue ao NDRC”, anunciou Balhmann.

Oportunidade

“Temos chances de acelerar o projeto, pois o TCU liberou a Petrobras para dar sequência à venda de ativos”

Antônio Balhmann,

Secretário de Assuntos Internacionais

Image-0-Artigo-2219747-1