Ubajara Notícias

Tolerância zero: Operação policial fecha estabelecimentos em Ubajara  

 

Estabelecimentos sem ou com alvarás vencidos foram fechados na noite dessa sexta-feira em Ubajara (Foto: Antônio Carlos)

Proprietários de bares, restaurantes e pizzarias de Ubajara tiveram seus estabelecimentos fechados pela polícia civil por estarem sem ou com alvarás de funcionamento vencidos. O caso aconteceu na noite dessa sexta-feira (27). De acordo com os empresários, os clientes que estavam consumindo, tiveram que pagar a contar e ir embora.

“Os dias mais movimentados na pizzaria são aos finais de semana. Não vendemos bebida alcóolica, somente comida. Estamos aqui há 12 anos e isso nunca havia acontecido”, disseram os donos da pizzaria Charmosa.

A indignação dos empresários é que não foram notificados sobre o vencimento dos alvarás. O empreendedor de primeira viagem, Renato Araújo, que teve seu espetinho fechado, pensava que o alvará tinha validade de 12 meses e não até o ano vigente. “A polícia chegou e perguntou se tínhamos alvará, fui pegar e mostrei pra eles, porém me avisaram que estava vencido e que teria que fechar meu estabelecimento,” disse.

Renato ainda falou que não é contra as fiscalizações, mas primeiro deveria ter recebido uma notificação para regularizar as pendências e só depois a policia deveria ter partido pra ação.

c34ed440-74f4-49e8-9da2-36273a1207d9
Policia notificando os estabelecimentos (Foto: Whatsapp)

Denes, dono de bar que leva o mesmo nome e famoso por promover serestas aos finais de semana, disse que tinha contratado uma banda pra tocar neste sábado e que não sabe o que vai fazer com o estoque que comprou. “Temos funcionários, aluguel, água e energia pra pagar, não sei o que vou fazer caso esse problema não seja resolvido,” afirmou.

Os munícipes e turistas foram surpreendidos com o comércio fechado no último final de semana de férias. “Saímos ontem a noite pra comer alguma coisa no Centro, levei um susto quando encontrei tudo fechado tão cedo em plena sexta-feira em Ubajara. Tive que ir em Tianguá com minha família,” disse o  Fortalezense Junior Almeida.

Entramos em contato por telefone com delegacia de polícia civil de Tianguá pedindo mais detalhes sobre a ação, mas até o momento não obtivemos respostas. Estamos à disposição para qualquer esclarecimento que se faça necessário.