Ubajara Notícias

Mulher velada viva conta que assustou crianças e se sentiu bem no caixão

mulher-velada-viva-camocim-560x315
Vera Araújo recebeu até mesmo maquiagem especial. (Foto: Catharina Maia / Tribuna do Ceará)

A dona de casa Vera Araújo, que sonhava em ser velada como defunta ainda viva, decidiu aproveitar um pouco mais a experiência nesta quinta-feira (3). Em entrevista ao Tribuna do Ceará, de dentro do caixão, Vera disse que “se sente muito bem” na caixa de madeira e revelou as brincadeiras com as crianças curiosas durante sua experiência. A realização do sonho da dona de casa, que mora em Camocim, no Interior do Ceará, aconteceu no Dia de Finados, com a ajuda de uma funerária, e repercutiu em todo o Brasil.

A fama nacional não inibiu Vera Araújo que, nesta quinta-feira (3), voltou à funerária e, com muito bom humor, entrou no caixão novamente. O desejo era de longa data, cerca de 14 anos. Antes, já era conhecida por acompanhar velórios, mesmo sem conhecer o defunto.

Durante toda a entrevista ao Tribuna do Ceará, Vera falou de dentro do caixão.

“Eu gosto de velório, de pegar, ajudar a levar o caixão. Sempre quis saber como era (estar dentro), há 14 anos eu tinha esse sonho. Até que falei com o dono da funerária, que queria fazer como um teatro no Dia de Finados. Ele perguntou se eu tinha coragem, e eu fui”, relembra Vera Araújo.

9 horas dentro do caixão

whatsapp-image-2016-11-03-at-11-12-53-560x315
Vera realizou seu sonho na funerária Plasfran. (FOTO: Maryo Jorge)

Ela ficou de 8h às 17h da quarta-feira (2) dentro do caixão, sem sair nem para ir ao banheiro. O velório aconteceu na Funerária Plasfran e no Cemitério Jardim Eterno, localizados no centro de Camocim, no Ceará. Vera preferiu não se alimentar e tomou apenas água de coco e chá. “Eu me senti tão bem dentro do caixão”, brinca.

Ela conta que estava confortável e que parecia estar na sua própria cama, dormindo por três vezes. “Eu fingia que estava morta mesmo. Tinha hora que eu falava com as pessoas, tirei foto com um monte de gente, mas, na maior parte do tempo, era como morta. Tinham crianças que chegavam perto, curiosas, e, de repente, eu abria os olhos. Elas se assustavam, mas depois começaram a rir. Até peguei na mão de algumas”, completa.

Vera é bastante conhecida em Camocim, principalmente na região onde mora, na Praia do Maceió. Tanto pela vontade de estar perto dos mortos quanto por ter trabalhado por vários anos como mototaxista.

“Eu gosto de conversar, de tirar brincadeira, então todo mundo me conhece. Aqui eles me chamam de prima Vera, como se eu fosse da família”, explica.

Repercussão com os filhos

A fama, que levou seu nome para várias partes do Brasil, chegou até o filho Leandro, de 26 anos, que reside em São Paulo. Ele se irritou com alguns comentários que tratavam Vera de forma negativa.

Ele apoia a mãe em tudo, e nesse momento não seria diferente. Enviou um áudio para o grupo da família no Whatsapp a defendendo. Já o filho mais novo, Carlos, de 17 anos, disse que estava com medo das brincadeiras que ouviria na escola e cogitou omitir que Vera era sua mãe.

“Eu disse pra ele deixar de ser besta e dizer que é meu filho sim. Não tem porque sentir vergonha, porque eu que quis, e não ele”, ri. Apesar das brincadeiras, ela diz que acompanha velórios desde os 15 anos, porque se sente bem nesses locais.

Algumas pessoas disseram que ela está desafiando Deus, mas Vera discorda. “Eu não tenho medo da morte, não. Deus me criou e ele sabe quando vai levar. Qualquer hora a morte pode vir. Minha mãe já paga o plano funerário, então tudo certo”, conclui.

Assista ao vídeo:

 

Tribuna do Ceará