Ubajara Notícias

Policiais chamados de “pilantras” protestam contra declaração de delegado-geral

policiais-civis-548x560
Policiais e familiares reclamam de declaração de delegado-geral (FOTO: Reprodução/Whatsapp)

Os policiais civis grevistas realizam protesto, nesta quarta-feira (2), contra declaração do delegado-geral da Polícia Civil, Andrade Júnior.

Em áudio que vazou nas redes sociais, Andrade Júnior afirma que desafia “qualquer um desses pilantras que estão aí” e diz aos novos policiais que “se vão entrar para engrossar esse coro, não entrem”.

Em resposta, policiais civis divulgam nas redes sociais fotografias, ao lado de familiares, com cartazes: “Delegado-Geral, meu pai não é pilantra. Os policiais civis têm motivos sim”.

A greve dos policiais civis foi decretada no dia 27 de outubro após votação unânime da categoria, e somente três delegacias do Estado estão em funcionamento. Essa é a segunda greve dos policiais civis cearenses em dois meses. Entre as reivindicações estão o reconhecimento salarial e melhores condições estruturais para trabalho.

Manifestação

Ainda nesta quarta-feira, os integrantes do Sindicato dos Policiais Civis do Ceará (Sinpol/CE) fazem manifestação, em caminhada a partir das 18h do Palácio da Abolição, na Avenida Barão de Studart, até o Aterro da Praia de Iracema.

De acordo com o presidente do Sinpol, Francisco Lucas, o sindicato tem orientado as profissionais a registrarem todas as falas do comando da Polícia Civil. “Você vê a forma de assédio claramente. Gerou um desconforto muito grande, a gente espera resolver, mas, na minha opinião, ele não tem mais condição de ficar à frente da delegacia-geral. Ele perdeu pra mim qualquer representatividade”, afirmou.

Lucas ressalta que a legislação brasileira não permite a demissão de servidores grevistas. Ele pontua que o Estado deixa a desejar em vários direitos dos profissionais, como reposição salarial, falta de estrutura de trabalho, ausência de equipamento individual de trabalho, como coletes, dentre outros.

Após vazamento, delegado-geral divulgou áudio pedindo desculpas. “O termo foi inadequado. Os senhores não são esses em questão, até porque não foi direcionado aos senhores. Sabemos quem são as pessoas que estão buscando promoção pessoal, mentindo a todo tempo para a categoria, dizendo que conseguiu isso e aquilo”, diz Andrade à corporação. “Chegou o tempo de a categoria entender que essas pessoas não lutam por vocês”, ressalta.

“Se vocês têm amigos, a única saída deles é se apresentar imediatamente no trabalho. Os colegas de vocês que estão no Iguatu, liguem pra eles. Não é ameaça do delegado-geral, não, ameaça é quando você está presumindo que está fazendo alguma coisa errada, eu estou mandando trabalhar”, diz Andrade.

O delegado-geral ainda alerta aos novos escrivães que não entrem “para engrossar o coro” dos grevistas e lembra que servidores em estágio probatório são avaliados todos os dias durante três anos. “Uma demissão no serviço público numa circunstância como essa prejudica qualquer outro concurso”, destaca.

A Secretaria de Segurança Pública e Defesa e Social (SSPDS) não se manifestou sobre o caso.

Tribuna do Ceará