Ubajara Notícias

Ex-executivo confirma ao TSE doação para campanha de Dilma em 2014

Resultado de imagem para TSE

Em depoimento ao ministro Herman Benjamin, relator do processo relativo à prestação de contas da ex-presidente Dilma Rousseff no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o ex-executivo da Andrade Gutierrez Otávio Azevedo afirmou que, em razão das pressões das quais diz ter sido alvo e do suposto risco de perder contratos com o governo federal, a empresa doou oficialmente R$ 20 milhões para a chapa Dilma-Temer na disputa presidencial de 2014, em vez dos R$ 10 milhões que havia programado doar inicialmente.

Otávio Azevedo disse também ter feito doação ao PMDB, mas por decisão própria e não por pressão.

O ex-executivo da Andrade Gutierrez ficou preso por mais de um ano em Curitiba, por decisão do juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato na primeira instância da Justiça Federal.

 

Mas o processo sobre as contas da campanha de Dilma não tem relação com a Lava Jato e sim com o conjunto da arrecadação de recursos para a campanha de Dilma em 2014.

Ao ministro Hermann Benjamin, Otávio Azevedo disse que havia uma prática de doação para o PT da ordem de 2% de todos os contratos das empresas com o governo federal – e não apenas nos contratos com a Petrobras.

Na explicação dada ao ministro do TSE, Azevedo afirmou que pelo menos R$ 1,5 milhão declarados pela prestação de contas da campanha do PT é de parcela de propina paga ao partido pela obra da hidrelétrica de Belo Monte.

Segundo ele, a praxe era a doação de propina para o diretório nacional do PT, que se incumbia de fazer a divisão internamente. Em 2014, declarou o ex-executivo ao ministro, foi feita uma doação de R$ 15 milhões, e uma parcela disso (R$ 1,5 milhão) foi declarada oficialmente pela campanha de Dilma como doação da Andrade Gutierrez.

Além desse total que já havia sido repassado ao PT, segundo Otávio Azevedo, a empresa havia programado doar mais R$ 10 milhões à campanha de Dilma. Mas, devido às supostas pressões, aumentou esse valor para R$ 20 milhões.

Segundo ele, a pressão veio do ex-assessor de Dilma Giles Azevedo e de Edinho Silva, tesoureiro da campanha presidencial da petista em 2014 e depois ministro da Comunicação Social. Azevedo disse que a empresa aumentou o valor da doação porque sentiu a ameaça de perder contratos com o governo federal.

O ministro Herman Benjamin perguntou de onde vinha o dinheiro, e Azevedo respondeu que era estabelecido que a doação da empresa deveria ser de 2% de todos os contratos.

Depois do depoimento de Otávio Azevedo, o advogado de Dilma Rousseff nesse processo em tramitação no TSE, Flávio Caetano, pediu que Giles Azevedo seja também convocado a prestar esclarecimentos.

 

Giles Azevedo disse por telefone que não vai fazer comentários sobre o depoimento de Otávio Azevdo porque é parte do processo e vai falar ao ministro Hermann Benjamin na semana que vem “para repor a verdade” e que qualquer afirmação pública pode prejudicar sua defesa.
A assessoria de imprensa do PT afirmou nesta segunda-feira (19) que “todas as doações foram feitas dentro da legislação, e foram prestadas contas ao tribunal eleitoral”.

Em abril, Edinho Silva afirmou que a arrecadação da campanha de Dilma foi feita de forma “lícita” e “transparente” e que interpelaria na Justiça Otávio Azevedo por declarações feita em delação premiada de que o então tesoureiro articulou um “conluio” de empresas a fim de obter doações para a campanha.

O senador Aécio Neves, presidente nacional do PSDB e candidato do partido à Presidência da República em 2014, disse que o depoimento de Otávio Azevedo só confirma o que ele denunciava já na campanha eleitoral. Segundo ele, devido ao peso da máquina pública, a campanha se tornou desigual entre os candidatos. Mas, agora, disse Aécio, caberá a Justiça decidir qual a consequência legal desta afirmação.

O senador Eunício Oliveira, tesoureiro do PMDB, disse que nunca tratou de doação de campanha com Otávio Azevedo.

G1