Ubajara Notícias

Após motim, mulheres acampam em frente à delegacia

Mulheres dormem na calçada do Code após motim dos internos por falta de fornecimento de alimento ( VC-Repórter )

Após um motim protagonizado pelos internos recolhidos no Complexo de Delegacias Especializadas (Code), familiares dos presos decidiram acampar do lado de fora do prédio, na noite deste domingo (11).

Mulheres levaram lençois e alguns mantimentos e, até a publicação desta matéria, dormiam na calçada do Complexo, no Bairro de Fátima, que abriga 97 presos, divididos em 17 celas.

Durante a manhã, os presos reclamavam a falta de fornecimento do café, além da proibição de lanches levados por familiares. Os policiais civis teriam parado de fornecer a alimentação desde o início do mês. Conforme o Sindicato dos Policiais Civis de Carreira do Estado do Ceará (Sinpol-CE), familiares estavam utilizando as visitas para entrar com serras e outros materiais cortantes dentro dos alimentos.

A proibição da entrada dos alimentos dos parentes, conforme a categoria, faz parte do “Movimento Polícia Legal“, que alega buscar o cumprimento de direitos junto ao Governo. Um deles, seria a guarda de presos, que não é de responsabilidade da Polícia, mas da Secretaria da Justiça e Cidadania (Sejus), segundo o Sinpol. Além disso, o movimento aponta que o fornecimento do alimento aos reclusos cabe ao Estado.

“Estamos exigindo que o Estado forneça essa alimentação, como sempre era para ser. Vamos oficiar o Poder Judiciário e o Ministério Público”, afirmou o presidente da entidade sindical, Francisco Lucas de Oliveira.

Em nota, a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) alegou que “as alimentações diárias nas delegacias seguem sendo fornecidas normalmente”. Sobre superlotação, a Pasta destacou que os presos são transferidos para o Sistema Penitenciário à medida em que as vagas surgem.

Diário do Nordeste